Políticas educativas para la población de edad avanzada

un análisis de acciones pedagógicas inclusivas en cursos de educación profesional en el sur de Brasil

Palabras clave: Tercera edad, Inclusión Educativa, Política Pública, Mercado de Trabajo, Brasil

Resumen

La población envejece y muchos ancianos permanecen activos buscando entrar o permane-cer en el mercado laboral. Asimismo, crece la oferta de cursos del Programa Nacional para la Integración de la Educación Profesional con la Educación Básica en la Modalidad de Educa-ción de Jóvenes y Adultos (PROEJA) en Brasil. Este estudio buscó investigar acciones pe-dagógicas inclusivas para estudiantes ancianos en PROEJA. Se seleccionaron dos cursos en la ciudad de Santa María-RS que ofrecen este tipo de enseñanza y se realizó una entrevista semiestructurada con los coordinadores, el material recogido fue sometido al método de análisis temático. De esta forma, fue posible darse cuenta de que no hay estudiantes ancianos inscritos en estos cursos y que hay pocas propuestas de acciones pedagógicas inclusivas dirigidas a estudiantes de mayor edad. Por lo tanto, existe la necesidad de políticas públicas que favorezcan el acceso y brinden a las personas ancianas la oportunidad de ocupar estos espacios para el aprendizaje y la cualificación.

Biografía del autor/a

Paulo Adão de Medeiros, Dr., Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Paulo Adão de Medeiros Fisioterapeuta, Licenciado Educação Profissional e Tecnológica (PEG-UFSM), Doutor em Saúde Coletiva (UFSC) e aluno de pós-doutorado em Administração Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Marta Roseli de Azeredo, Dra., Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Marta Roseli de Azeredo Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora adjunta do Departamento de Administração Escolar do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Citas

Assis, M. 2005. “Envelhecimento Ativo e Promoção da Saúde: Reflexão Para as Ações Educativas com Idosos”, Revista APS, 8: 15-24.
Barichello, M.R.A. 2008. “A trama dos processos de inclusão/exclusão do outro na relação pedagógica: um estudo sobre a presença do outro no período de estágio do curso de Ciências Biológicas – Licenciatura”. São Leopoldo: UNISINOS, 206p. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação). Universidade do Vale do Rio dos Sinos.
Bauer, M.W. y Gaskell, G. 2004, Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. 3 ed. Petrópolis: Vozes.
Bishop-Clark, C.E y Lynch, J. 1995. “Faculty Attitudes Toward the Mixed-Age College Classroom”, Educational Gerontology, 21: 749-761.
Both, A., Marques, C. L. S. y Dias, J. F. S. 2011. “A Educação, a Cultura, o Esporte e o Lazer Para os Idosos”. Disponível em: http://www.observatorionacionaldoidoso.fiocruz.br/biblioteca/_eixos/1.pdf
Bragança, A.S. 2004. “Aposentadoria: a experiência de professores aposentados do Instituto de Biologia da Unicamp”. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Gerontologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
Brasil. 2003. “Lei No 10.741/03”. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso. Brasília-DF.
Brasil. 2006. Ministério da Educação. Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA: Documento Base. Brasília: MEC.
Brasil. Lei No 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF., 26 jun 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm
Cachioni, M. y Neri, A. L. 2004, Educação e velhice bem-sucedida no contexto das universidades da terceira idade. Em A. L. Neri & M. S. Yassuda (Orgs), Velhice bem-sucedida (pp. 29-49). Campinas: Papirus.
Carvalho, R.M.B. 1996. Educar com alegria. George Synders: Em busca da alegria na escola. Dissertação (Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Cidrack, M. L., Catrib, A. M. F. y Amorin, R. F. 2004. “Re- aprendendo a viver”, RBPS, 17: 138-148.
Cervo, A.L. y Bervian, P.A. 2002, Metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall.
Davidoff, L. 2002, Introdução à Psicologia. São Paulo: Mcgrawhill do Brasil.
Ferrari, M.A.C. 1999. “O envelhecer no Brasil”, O mundo da saúde, 23:197-203.
Freire, P. 1996, Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatística da População. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao.html. Acesso em: 01 de junho de 2019.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/educacao/9173-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-trimestral.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 26 de junho de 2019.
Marques, D. T. y Pachane, G.G. 2010. “Formação de educadores: uma perspectiva de educação de idosos em programas de EJA, Educação e Pesquisa, 36: 475-490.
Mascaro, S.A. 2004. “O que é velhice”. Coleção primeiros passos. São Paulo: Brasiliense.
Neri, A. L. 2004, O Que a Psicologia Tem a Oferecer ao Estudo e à Intervenção no Campo do Envelhecimento no Brasil, Hoje. In: A.L. Neri, Yassuda, M. S. (Orgs.), Velhice Bem-Sucedida: Aspectos Afetivos e Cognitivos. Ed. Papirus, Campinas, SP.
Oliveira, R.C.S. 1999. Terceira Idade: do repensar dos limites aos sonhos possíveis, São Paulo: Paulinas.
Oliveira, M. K. 2001, Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. In: Ribeiro, V. M. (org.). Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas: Mercado das Letras.
Oliveira, R. y Carvalho, S.G. 2009. “O Trabalho na Terceira Idade: A Continuação de uma Identidade Social?”, Anais do III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia. Disponível em: http://www.geracoes.org.br/arquivos_dados/foto_alta/arquivo_1_id-97.pdf. Acesso em: 01. Dez.2018.
Oliveira, R.F et al. 2016. “Análise da Percepção de Estudantes e Funcionários Quanto a Inclusão e o Desenvolvimento Cognitivo de Alunos da Terceira Idade no Ambiente Universitário”, UNICIÊNCIAS, 20: 55-60.
Organização Mundial de Saúde (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. 62 p.
Paolini, K.S. 2016. “Desafios da inclusão do idoso no mercado de trabalho”, Rev Bras Med Trab, 14:177-82.
Papalia, D.E., Olds, S.W. E y Felman, R. D. 2006, Desenvolvimento Humano. 8 ed. Porto Alegre: Artmed.
Peres, M.A.C. 2005. “A andragogia no limiar da relação entre velhice, trabalho e educação”, Revista Educação e Cidadania, 4: 87-94.
Rocha, S.M.C. Y Dias, R.Q. 2014. “As políticas públicas voltadas para a efetividade do direito ao trabalho do idoso”, Ciência (In) Cena Bahia, 1: 49-68.
Sassaki, R.K. 2007, O direito à educação inclusiva, segundo a ONU. (texto disponível na Plataforma Tel-Educ., Módulo II.
Schneider, R.H y Irigaray, T.Q. 2008. “O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais”, Estudos de Psicologia, 25: 585-593.
SETEC - Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=798&id=286&option=com_content&view=article. Acesso em 01 de dezembro de 2011.
Silva, M.C.B. Leitura e Letramento no idoso. Disponível em: http://alb.com.br/arquivomorto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem13/COLE_4048.pdf. Acesso em 23 de junho de 2012.
Uhlenberg, P. 2000. “Integration of old and young”, The Gerontologist, 40: 276-279.
UNESCO. 2009. Marco de Ação de Belém. Sexta Conferência Internacional de Educação de Adultos. Belém: UNESCO.
Vagetti, G.C. y Andrade, O.G. 2006. “Fatores influentes sobre o processo ensino-aprendizagem na educação física para idosos”, Acta Sci. Health Sci., 28: 77-86.
Ventura, F.C. 2009. Proeja Como Inclusão Escolar: Um Estudo de Caso Sobre as Necessidades Especiais dos Estudantes. Cuiaba: IF, 85p. Monografia (Curso de Especialização a Distância em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológica de Mato Grosso.
Vygotsky, L. S. 1993, Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.
Wajnman, S., Oliveira, A.M.E. y Oliveira, E.L. 2004, Os idosos no mercado de trabalho: tendências e conseqüências. In: CAMARANO, A.A. (Org.), Os novos idosos brasileiros: muito além dos 60? Rio de Janeiro: Ipea.
WHO - World Health Organization, 2015. World report on ageing and health. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/186463/9789240694811_eng.pdf .Acesso em 22 jan de 2019.
Publicado
2020-04-03
Cómo citar
de Medeiros, P. A., & Azeredo, M. R. de. (2020). Políticas educativas para la población de edad avanzada. GIGAPP Estudios Working Papers, 7(150-165), 355-372. Recuperado a partir de http://www.gigapp.org/ewp/index.php/GIGAPP-EWP/article/view/191