Ponto Brasil: a produção colaborativa na TV pública.

Abstract:
Este trabalho se propõe a descrever a metodologia desenvolvida no âmbito do programa de televisão Ponto Brasil (2009) para produção audiovisual colaborativa. O programa, coprodução entre a TV Brasil, onde os episódios foram exibidos, e a Secretaria de Programas e Projetos Culturais (SPPC), de onde veio 100% do orçamento, consiste em um piloto de televisão realizado colaborativamente por Pontos de Cultura e coletivos. Os vídeos produzidos em diversos estados brasileiros estão misturados nos 14 episódios temáticos de 26 minutos. O programa se destaca pelo método desenvolvido, também é relevante o contexto político em que foi germinado: durante o governo Lula nas gestões de Gilberto Gil e Juca Ferreira à frente do Ministério da Cultura do Brasil. O programa se insere em um conjunto de experiências desenvolvidas a partir de meados dos anos 2000 no âmbito da TV pública brasileira, e que buscam explorar o modo colaborativo na televisão que estamos chamando de "stricto sensu", aquela baseada no modelo "broadcasting". A produção colaborativa na TV tem características próprias se comparada com os meios colaborativos (LÖWGREN e REIMER, 2013), tanto com relação à forma de implementação, quanto seus objetivos. Chegamos a três entendimentos de colaborativo enquanto modo de produção no âmbito da TV pública: 1) Colaborativo enquanto modelo de criação; 2) Colaborativo enquanto modelo gerencial; 3) Colaborativo como ferramenta para potencializar o papel do público como produtor (o público torna-se produtor de conteúdo) (CANNITO, 2009; NORBÄCK, 2011; FRIEDLAND, 1995). Segundo os autores pesquisados, o modo de produção colaborativo na TV pública tem como objetivo, entre outras coisas: a democratização conceitual e estética do meio, a negociação sobre quem tem o direito de produzir e a abertura do sistema público de televisão à maior participação social com intuito de democratizar o polo emissor (CARELLI e ROCHA, 2011; NORBÄCK, 2011; FRIEDLAND, 1995). O programa Ponto Brasil apresenta algumas características e possibilidades do modo colaborativo na TV "strictu sensu". Neste trabalho focamos em descrever o método desenvolvido no contexto do programa para produção audiovisual colaborativa voltada para a TV pública. A descrição foi orientada por entrevistas. A primeira foi realizada com os coordenadores gerais, com objetivo de entender a dinâmica geral do Ponto Brasil, tendo um caráter estruturado por um roteiro de perguntas. Foi formada uma rede (Ponto Brasil) no âmbito do programa, composta por uma equipe central que ficava sediada na TV Brasil em Brasília e por grupos associados localizados em diversos estados ao redor do Brasil. Realizamos entrevistas com algumas pessoas da equipe central, com a coordenadora geral de mobilização e articulação em rede da SPPC entre 2008 e 2010 e com alguns grupos associados. Essas entrevistas foram orientadas por pautas abertas.
Área(s) temática(s):
Año:
2017
Tipo de publicación:
Paper/Extenso Congresos GIGAPP
Palabras clave:
Congreso GIGAPP
Número:
GIGAPP2017
Serie:
VIII Congreso Internacional en Gobierno, Administracion y Politicas Publicas
Dirección:
Madrid, España
Organización:
GIGAPP. Asociación GIGAPP
Mes:
Septiembre
Comentarios:
Propuesta aceptada Ponencia/Comunicacion 2017-20 Participacion ciudadana: tendencias actuales en España y Latinoámerica
Hits: 1643