Cultura periférica, cidadania e espaço público: o potencial político do movimento hip hop da Ceilândia/DF

Abstract:
Cidadania é o direito à palavra no espaço público. A partir desta definição de Étienne Balibar, filósofo francês, definimos as três macro-categorias que permeiam essa proposta de analisar o potencial político do movimento hip hop da Ceilândia: uma das 31 Regiões Administrativas que conformam o controverso e contraditório território de Brasília, Distrito Federal - DF. Buscar-se-á, a partir do movimento hip hop - considerado aqui como um conjunto de manifestações sócio-político-culturais, constituído pelo rap, pelo grafite e pelo break - revelar novos caminhos que vêm sendo abertos a partir das margens, das ruas, das periferias. Lançar luz sobre tais movimentos, entendendo-os como formas de cidadania e de comunicação insurgentes, tem como objetivo identificar novas possibilidades de transformação do "fazer poético" - presente nas letras de rap, nos muros e nos corpos periféricos - em "fazer político". Em termos teóricos, propõe-se problematizar os conceitos de espaço público e de cidadania, com o intuito de ampliá-los, a partir do diálogo entre autores de diferentes escolas disciplinares; em termos históricos, pretende-se "costurar" cidade-hip hop-identidade, a partir da história do nascimento e da consolidação da CEI-lândia: que vai de cidade-satélite, criada em 1971, para abrigar os "invasores" do plano piloto, à "cidade" mais populosa e urbanamente densa do Distrito Federal; e, por fim, em termos empíricos, abre-se espaço às vozes que insurgem na e da Ceilândia, por meio de entrevistas, letras de rap, pixos e corpos em movimento. O hip hop da Ceilândia evidencia os conflitos e as lutas de resistência que, embora inerentes à cidade e à construção do espaço público, são tantas vezes encobertos pelo manto dos discursos oficiais e/ou universalizantes. Um olhar atento sobre a Ceilândia, e sobre as manifestações que transbordam a "quebrada", pode demonstrar que as expressões artísticas, sociais ou culturais, assim como as expressões políticas, carregam, em seu cerne, antagonismos, tensões e disputas cruciais para a (re)construção do espaço público, da cidadania e de novas políticas públicas. Enquanto narrativas híbridas, podem, graças à sua natureza dialogal, reconectar o "nós" a seu passado e o "nós" a "eles", promovendo encontros, redefinindo fronteiras e criando pertencimentos.
Área(s) temática(s):
Año:
2017
Tipo de publicación:
Paper/Extenso Congresos GIGAPP
Palabras clave:
Congreso GIGAPP
Número:
GIGAPP2017
Serie:
VIII Congreso Internacional en Gobierno, Administracion y Politicas Publicas
Dirección:
Madrid, España
Organización:
GIGAPP. Asociación GIGAPP
Mes:
Septiembre
Comentarios:
Propuesta aceptada Ponencia/Comunicacion 2017-05 Democracia cultura y participacion ciudadana
Hits: 1914